Até que o livro os aproxime

lua cheia sobre a avenida Ipiranga, no centro de São Paulo, por
R.I.

Sempre quis comprar um caderno bonito, desses que são ofertados em grande variedade nas papelarias e livrarias. Com papel livre de ácido, capas elaboradas, fitas, fechos, às vezes com citações de grandes autores, ilustrações. Mas também achava seus preços caros, tanto quanto os dos livros, com a diferença de virem sem escrita. Além disso, estaria comprando talvez um problema, um compromisso. Ele piscaria constante o lembrete de um trabalho por fazer. Mas então encontro um caderno a um preço mais acessível.

E encontro dois autores sensíveis e empolgantes: Ali Smith, com seu ‘The accidental’ (‘Por acaso’ na versão brasileira) e Jonathan Safran Foer e o comovente ‘Extremely loud incredibly close’ (‘Extremamente alto incrivelmente perto’ na versão brasileira). Eles me instigam a voltar a escrever. Talvez o texto mais importante da minha vida.  

Os livros e o caderno. Agora, depois de tanto tempo, um começo.

Anúncios

Sobre Ricardo Imaeda

Um amigo. Em passagem por terras estranhas, imigrante nativo. Tem aprendido com todas as formas de vida. Gosta de cidades e montanhas, árvores e culturas. Anda por um caminho temperado pelo zen, na incerteza de cada dia. Escreve para compreender, para encontrar.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s