Os barulhos do fim do mundo

Não é uma sensação de claustrofobia, apesar do pouco espaço. O que incomoda mais são os barulhos, a cacofonia longa e sinistra a que se é submetido. Desmoronamento, bombardeio, metralhadoras a cada nova esquina do tempo em que se passa naquele cilindro onde se faz a ressonância magnética.

Que invenção mal acabada! Para que ouvir esses ruídos todos? Não pode ser bom o que se afasta tanto da beleza, da harmonia de linhas ou sons. E, no entanto, é com isso que se conta. E por ele se espera para saber mais. Enquanto se suporta mais um fim de mundo sem conhecer o que virá.

 

Anúncios

Sobre Ricardo Imaeda

Um amigo. Em passagem por terras estranhas, imigrante nativo. Tem aprendido com todas as formas de vida. Gosta de cidades e montanhas, árvores e culturas. Anda por um caminho temperado pelo zen, na incerteza de cada dia. Escreve para compreender, para encontrar.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s