Primeira última

detalhe de ‘O nascimento de Vênus’, de Botticelli, na Galleria Uffizi em Florença, por Riccardo Imaeda

Noite da noite, navego por músicas que ainda me tocam, esbarrando por cantos abandonados no You Tube. São coisas de sozinhos em paz com seus fantasmas de baixa reputação em feriados prolongados ou Natal e ano novo. Ali estão cantores querendo uma chance de acontecer para o mundo, querendo passar para a outra etapa, impressionando com suas notas e histórias.

Ouço sem volta nesse sem fim de mudanças e mudanças as canções que permanecem. Como se não existisse um tempo separando o menino cheio de virás do menino envelhecido de deverias.

Reconheço agora as palavras e a melodia mas em outra voz. Não é mais Roberta Flack; é um timbre agudo masculino; parece não pertencer ao meu passado e retira dali o que esquecia da beleza de ter sido. ‘First time ever I saw your face’, de seu rosto sem traços nem sentido ou mesmo nome. De alguém que sequer notou sua presença. Em um dia cavado nesta noite da noite essa música esbate no meu rosto mais fundo que na alma. E continua com sua chuva de dardos ferindo-me a pele enquanto não termina.

A primeira vez que vi seu rosto não existia essa voz. Não sabia que era a primeira ou que haveria uma seguinte. Não havia nada de especial, nem deveria haver. Não senti coisa alguma nem pesou o estrado do tempo.

Nesta noite da noite parece diferente. Essa voz desterrou uma face em decomposição para os ventos de uma nova turbulência, para tingir seus mesmos traços. Mas ver seu rosto pela primeira vez uma última vez.

::

Matt Cardle e sua aterradora interpretação de ‘First time ever I saw your face’:

https://www.youtube.com/watch?v=E_wOnVbDtdg

 

Sobre Ricardo Imaeda

Um amigo. Em passagem por terras estranhas, imigrante nativo. Tem aprendido com todas as formas de vida. Gosta de cidades e montanhas, árvores e culturas. Anda por um caminho temperado pelo zen, na incerteza de cada dia. Escreve para compreender, para encontrar.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Primeira última

  1. Maria de Fátima Rodrigues Belo disse:

    Li de novo e de novo. Ouvi. Impossível não ouvir Primeira última ao fundo… Tocando fundo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s