As espirais

escadaria do Museu da Casa Brasileira em São Paulo, por Ricardo Imaeda

‘Não posso continuar esperando a manhã, pois nem sei de que lado ela pode chegar.’

– Menalton Braff

 

Antes tarde do que depois. Somente agora começo a tomar contato com a alta literatura de Menalton Braff. Que me impressiona e alerta com a sua riqueza de visão e capacidade de expressá-la. É um daqueles raros autores que derramam luz sobre as faces mais conhecidas do cotidiano para extrair delas densidades inesperadas. Como se olhássemos pela primeira vez com a sabedoria de um deus onisciente ou com o largo espectro e a profundidade de quem esperou demais e aprendeu. Alguma coisa entre o imediato insight e o demorado crescer de um conhecimento. Assim nos reconhecemos naqueles personagens que são nossos também – uma parte de cada um, retorcido, transformado, mas lá, mas aqui.

Nem é preciso um roteiro cheio de intrigas ou reviravoltas. O que mais espanta em seu texto é o desvendar dessa visão em que cada fóton parece ganhar voz com uma linguagem original. ‘Bolero de Ravel’ mostra dois irmãos, Adriano e Laura, jovens adultos, lidando com a pós-morte de seus pais em um acidente. Adriano desde adolescente é alguém que decide sair do sistema – da lógica da vida estruturada em agenda, da praticidade das coisas, do mercado. A perda dos pais faz com que ele afunde ainda mais no processo de encapsulamento e deserção do mundo externo, enquanto Laura é aquela que maneja o lado prático da vida, da normalidade. ‘Bolero…’  se desdobra em espiral como a música de mesmo nome, enquanto os irmãos se centrifugam. Simpatizo com a negação de Adriano mas não sei até que ponto ou quando ela leva à corrosão da capacidade de se comunicar com essa vida institucionalizada e de alguma forma manter a afirmação dessa diferença. Há uma tragédia a caminho ou uma forma de liberação?

Na fina escrita de Menalton Braff as iluminações de cada fragmento assombram e encantam o percurso em que nos transformamos e tentamos compreender.

 

Anúncios

Sobre Ricardo Imaeda

Um amigo. Em passagem por terras estranhas, imigrante nativo. Tem aprendido com todas as formas de vida. Gosta de cidades e montanhas, árvores e culturas. Anda por um caminho temperado pelo zen, na incerteza de cada dia. Escreve para compreender, para encontrar.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s